Bancos Taxas e Juros

O governo anunciou que baixou os juros e no único banco do governo, a caixa ecônoimica federal é aunciada aos quatro ventos taxas “mais baixas”, esse fato parece ter aberto uma disputa entre os bancos para fidelizar os correntistas ou para angariar novos correntistas, para os bancos apenas clientes, ou seja, apenas mais fontes de dinheiro.

Até aí tudo bem, baixar os juros apenas mostra que os bancos tiram nossos cabelos sem a menor cerimônia, mas é preciso estar atento, porque se anuncia uma coisa e é feita outra coisa totalmente diferente, taxas de 2% depende “da cara do freguês”, não é para todo mundo, ou melhor, não é para qualquer um.

E no empréstimo consignado, a modalidade de empréstimo que ferra a vida do aposentado e o mesmo tipo de empréstimo em que o banco não perde nem um centavo nem mesmo que o aposentado ou pensionista venha a falecer.

Quem não ficar de olhos bem abertos leva ferro e ainda sai dando risada, muitas pessoas ainda não tomaram conciência que nosso financeiro está resumido a praticamente juros e taxas.

As taxas estão presentes desdo o momento em que se faz uma compra com cartão de crédito, aliás, desde o momento em que o cartão de crédito foi desbloqueado, e naquela dívida vencida as taxas de juros abusivas que os bancos insistem em querer cobrar, na armadilha do limite do cheque especial, na compra de um carro ou de um terreno é a mesma coisa, sempre existem juros embutidos.

Há quem não dá a menor importância, além disso, a armadilha dos crediarios é tentadora, boa parte dos consumidores não faz a conta de quanto ele vai pagar no final, ele faz a conta de quanto ele pode pagar por mes, mas se algo der errado, o risco vai colocar o consumidor num aperto financeiro bem complicado para sair.

As taxas de juros variam mas não deixam de existir, e para quem não sofre de ansiedade por consumo é mais vantajoso juntar o dinheiro necessário para a compra e pagar tudo à vista, claro que essa recomendação parece inútil porque a maioria dos consumidores quer “ter agora” “aquele lançamento”, o certo seria pesquisar os preços em várias lojas escolhendo as melhores condições e só depois concretizar a compra.

No Brasil, as taxas de juros são muito altas se comparadas a outros países com economia parecida com a nossa, como não resolver nada fugir, precisamos ser inteligentes e tirar proveito, principalmente aproveitando as ofertas das lojas.

Nas placas promocionais estão as verdadeiras adagas, em letras grandes as ofertas, e em letras pequenas as taxas de juros ou alguma falsa vantagem, mas o pior pode estar no contrato, principalmente em letras quase invisiveis estão as cláusulas a respeito de multa e juros caso a prestação venha a atrasar.

Para quem não sabe, no Brasil, a maior taxa de juros permitida por lei é de 12% ao ano, no entanto, é muito raro encontrar um contrato com taxa de 1% ao mês, e cabe a cada um aceitar a taxa ou não, se aceitar é provável que tenha que pagar, pois a justiça demora muito para decidir uma revisão de contrato.

Ferramentas não faltam e informações podem ser obtidas em qualquer lugar, além disso, informação não ocupa espaço no cérebro, use sua intelegência e sabedoria antes de fazer uma compra, compare o preço nas lojas, e principalmente, cuidado com as taxas de empréstimos que são oferecidas pelos bancos, eles nos pagam 0,6% ao mês para “cuidar do nosso dinheiro” e nos cobram acima de 3% de juros por mês para conceder um empréstimo.

1% pode parecer pouco, mas num financiamento de 5 anos dá uma boa diferença, experimente, Clique Aqui para fazer uma simulação dos valores que são pagos em juros para as instituições financeiras.