Como Funciona o Olho

Não existem dúvidas que a estrutura e o funcionamento do olho são complexos e fascinantes.

A quantidade de luz é ajustada pelo olho, que deixa entrar a quantidade de luz necessária, e então, focaliza os objetos próximos e distantes e gera imagens que no mesmo instante são transmitidas para o cérebro.

A esclerótica, ou o branco do olho, é a parte anterior da camada branca externa do olho, que está coberta por uma fina membrana, chamada conjuntiva.

Uma cúpula transparente chamada de córnea se encontra sobre a superfície do olho, é pela córnea que a luz entra, além de servir de camada protetora da parte frontal do olho, a córnea também ajuda a concentrar a luz sobre a retina, na parte posterior.

Depois de passar pela córnea, a luz entra na pupila, uma zona negra que se encontra no meio de uma área circular e colorida do olho, que é chamada de íris.

A íris controla a quantidade de luz que entra no olho, abrindo-se e fechando-se como se fosse a abertura da lente de uma câmara.

A íris permite que entre mais luz quando o ambiente está escuro, e deixa que entre menos quando há muita luz.

O tamanho da pupila é controlado pelo esfíncter da pupila, um músculo que abre e fecha a íris.

Por trás da íris encontra-se o cristalino, ao mudar de forma, o cristalino concentra luz na retina.

Para que o olho foque os objetos próximos, um pequeno músculo chamado ciliar contrai-se, fazendo com que o cristalino aumente de espessura, e consequentemente, se torne mais forte.

Para que o olho focalize objetos distantes, o mesmo músculo relaxa, diminuindo a espessura do cristalino, e assim, tornando-o mais fraco.

Com o passar dos anos, o cristalino se torna menos flexível, e menos capaz de aumentar a sua espessura, e em conseqüência, menos capaz de focalizar os objetos próximos, e quando esses sintomas estiverem evidentes, é sinal da ação da doença chamada presbiopia.