Davi é o Rei de Israel

Depois da derrota de Israel para os filisteus, que mataram Saul, primeiro rei de Israel, e seu filho Jônatas, Davi foi proclamado rei em sua região natal da Judéia.

Ele então conquistou a cidade de Jerusalém, na Cananéia e fez dela sua capital, levando para lá a Arca da Aliança sagrada dos judeus.

Nos anos seguintes, expandiu o poder de Israel para o norte até a Síria, unindo os reinos de Israel e da Judéia.

Quando era um jovem pastor, Davi havia matado, com sua funda, o campeão de seus inimigos, Golias.

Depois de fazer amizade com Jônatas, foi acolhido na casa de Saul, mas afastou-se de lá pelo comportamento cada vez mais instável do rei.

Davi então tornou-se mercenário a soldo dos filisteus, embora tenha evitado a batalha na qual estes mataram Saul.

Apesar de suas fraquezas humanas, Davi é apresentado na Bíblia como um monarca eleito por Deus, cujos atos militares e políticos, bem como suas atividades espirituais são expressões de sua reação aos desejos de Deus.

Seu filho Salomão expandiu a influência de Israel no Oriente Médio, os judeus acreditavam que os reis de Israel e o Messias viriam dos descendentes de Davi, que ocupa um lugar importante nas tradições judaicas, cristã e muçulmana.

Além da Bíblia, são poucos os indícios históricos sólidos da existência de Davi.

A casa de Davi é mencionada em uma inscrição aramaica de cerca de 850 antes de Cristo, e em 2005 uma arqueóloga descobriu em Jerusalém restos do que alega ter sido o seu palácio, embora isso seja contestado por outros estudiosos.

Os historiadores ainda debatem se é provável a Judéia da Idade do Bronze ter tido um controle real tão unificado quanto o apresentado nas histórias bíblicas, provavelmente escritas no final do século VII depois de Cristo.