Dependência de Ecstasy

O texto a seguir tem como origem o blog do Denísio em www.denisio.com.br, os direitos autorais são mantidos, por entender que seja de utilidade pública, disponibilizo para tornar do conhecimento do máximo possível de pessoas.

*Carlos Ely Castro

Secretário de Segurança do Cidadão

A exemplo de outras substâncias que causam dependência o Êxtase MDMA (MetilenoDioxoMetAnfetamina) surge como medicamento farmacológico para fins de inibição do procedimento alimentar, especificamente, um moderador de apetite.

Patenteado em 1914 pelo Laboratório Merck na Alemanha, ressurgindo no final da década de 70, já então desacreditado pela indústria farmacológica começa a ser discutido entre psicólogos e psiquiatras que buscam alternativas clínicas para uma melhor comunicação e vínculo entre terapeuta-paciente.

O domínio popular foi uma questão de tempo, mesmo sendo considera pela OMS (Organização Mundial de Saúde) como substância proibida, seu consumo através de usuários em todo o mundo emergiu, inclusive no Brasil.

Droga de características estimulante e alucinôgenica, associada a música eletrônica, ativa os sentidos e a percepção das cores, sons e tem na excitação seu principal atrativo de consumo.

Mesmo como produto alucinógeno sintético não tem efeitos superiores ao LSD – 25, mas um de seus efeitos mais devastadores, além do pânico, alucinações visuais e inconsciência sobre percepção do tempo é o aumento gradual da temperatura corpórea podendo chegar aos 42º C que induz a ingestão exagerada de água – hormônio antidiurético – e as conseqüências são imprevisíveis e ao extremo, a morte.

No Brasil é considerada droga ilícita e tanto o tráfico como o consumo tem previsão repressiva ou de inserção social na Lei 11.343 de 23/08/2006, em forma de comprimidos o ÊXTASE-ECSTASY original europeu é encontrado em maior intensidade nos eventos, encontros “RAVE”, baladas festivas e o público consumidor são adolescentes, jovens e os inclusos na faixa etária da “meia idade”.

Em Balneário Camboriú e Itajaí /SC a intensidade de consumo é considerado médio em razão do valor de mercado na economia do mundo das drogas, Balneário destaca-se na planilha de oferta e procura em razão de suas características turísticas, já em Itajaí, cidade limítrofe, tem ao longo dos anos se notabilizado como pólo distribuidor de entorpecentes como Cocaína, Maconha e o Crack (sub produto) devendo pois constar, por analogia, como rota intermediária na rede tráfico – demanda – distribuição também do MDMA.

A avaliação sugerida tem sustento em informes, relatos pessoais com envolvimento, fontes policiais, de saúde e domínio público consensual.

Êxtase, por ser um comprimido de pequeno porte e usuários de classe média, geralmente não vinculados a organizações criminosas, pode e deve ser considerado como um dos grandes desafios, no que concerne à retirada de circulação, por parte do Departamento de Polícia Federal, Secretaria de Segurança Pública e Polícia Militar.

FONTES:

# SISNAD Sistema Nacional de Políticas Públicas sobre Drogas.

# CEBRID – Centro Brasileiro de Informações sobre Drogas Psicotrópicas.

# Secretaria Nacional Antidrogas.

# Militância pessoal preventiva Projeto Verdade do autor (600 palestras proferidas).