Diâmetro Total da Roda

O diâmetro total da roda, ou seja, o diâmetro do aro somado ao diâmetro do pneu tem influência decisiva no comportamento do carro, e principalmente as relações da caixa de velocidades que são definidas para uma medida de roda específica.

No que diz respeito a influência no comportamento do carro é a parte mais controversa da questão das medidas das rodas, é que está muito na moda o exagero nas medidas totais escolhidas.

A verdade é que quando observamos o que se pratica na competição de automóvel, seja nos Karts, nos Fórmula 1 ou nos Rallys, não são encontrados indícios que as práticas são as mais corretas, até ao pelo contrário algumas vezes.

Claro que isto não é linear, e mais uma vez o tipo de percurso, de condutor, e de carro são determinantes para escolher a melhor opção, mas é possível estabelecer algumas normas, facilmente verificáveis.

Para rodas maiores do que o estabelecido pelo fabricante é fácil concluir o seguinte:

· O comportamento fica mais duro, preciso e incisivo.

· Por outro lado fica menos flexível, ou seja, perde capacidade de correção de trajetórias e de reajustamentos, devido ao excesso de massa e inércia na roda e também por ser mais lenta a transferência da potência para as rodas.

· Exige um tipo de condução preciso, pouco dado a aventuras, e um percurso que preferencialmente deve ser em retas.

· O poder de travagem normalmente melhora, porque tem menos tendência para bloquear as rodas, mas para obter melhores resultados devem ser instalados discos de freios maiores.

· O aspecto fica agradável para quem gosta do estilo germânico.

Para rodas menores do que o estabelecido pelo fabricante as conclusões são estas:

· O comportamento fica mais suave, acusa menor precisão, mas fica também mais incisivo na medida em que todos os movimentos de direção são mais rápidos.

· A flexibilidade aumenta, é mais fácil e agradável corrigir trajetórias e a potência chega mais depressa às rodas para ajudar nos reajustes.

· A condução torna-se mais divertida, e aumenta a maneabilidade em percursos sinuosos.

· O poder de travagem diminui e a tendência para bloquear as rodas é maior, e mesmo fazendo melhoramentos nos discos, cabos e pastilhas, o resultado pode ser ainda pior, porque o maior poder de travagem para menos capacidade de criar atrito resulta em deslizar do que em travar, mas a utilização de uma largura maior de pneu pode ajudar a manter os níveis de atrito.

Isto pode ser contra-balanceado pela adoção de um estilo de condução menos apoiado nas travagens, talvez muitos percebam logo que o carro “socado” não é bom, rebaixamento pode ser bom e bonito, mas certamente que tem limites.