Elevações Térmicas

As elevações nos índices térmicos do ar são fáceis de entender: o asfaltamento das ruas e avenidas, as imensas massas de concreto, a falta de áreas verdes, a presença de grandes quantidades de gás carbônico na atmosfera provocam o efeito estufa, o grande consumo de energia devido à queima de gasolina, óleo diesel querosene, carvão, etc., nas fábricas, residências e veículos também são responsáveis pelo aumento da temperatura do ar.

Já o aumento dos índices de pluviosidade se deve principalmente à grande quantidade de micropartículas como a poeira e a fuligem no ar, que desempenham um papel de núcleos higroscópicos que facilitam a condensação do vapor de água da atmosfera, e as enchentes decorrem da dificuldade da água das chuvas de se infiltrar no subsolo, pois há muito asfalto e obras, o que compacta o solo e aumenta sua impermeabilização.

Todos esses fatores que provocam um aumento das médias térmicas nas metrópoles somados aos edifícios que barram ou dificultam a penetração dos ventos e à canalização das águas, fato que diminui o resfriamento provocado pela evaporação, e conduzem à formação de uma ilha de calor nos grandes centros urbanos.

A verdade é que uma grande cidade funciona quase como uma ilha térmica em relação às suas vizinhanças, onde as temperaturas são normalmente menores, essa ilha de calor atinge o seu pico, o seu grau máximo, no centro da cidade.

A grande concentração de poluentes na atmosfera também provoca uma diminuição da irradiação solar que chega até a superfície, esse fato, somado com a fraca intensidade dos ventos em certos períodos, dá origem às inversões térmicas.

O fenômeno da inversão térmica, comum nas grandes cidades, principalmente no inverno, consiste no seguinte: o ar situado próximo à superfície, que em condições normais é mais quente que o ar situado bem acima da superfície, torna-se mais frio que o das camadas atmosféricas elevadas.

Como o ar frio é mais pesado que o ar quente, ele impede que o ar quente, localizado acima dele, desça, assim, não se formam correntes de ar ascendentes na atmosfera, e os resíduos poluidores vão se concentrando próximo da superfície, agravando os efeitos da poluição, tal como irritação nos olhos, nariz e garganta dos moradores desse local.

As inversões térmicas também são provocadas pela penetração de uma frente fria, que sempre vem por baixo da frente quente, a frente pode ficar algum tempo parada no local, num equilíbrio momentâneo que pode durar horas ou até dias.