Quero Natal Sem Presentes

Decidi que não vou dar presente de natal para amigos, parentes e familiares, pois se o fizer terei sérios problemas, e peço que me tire da sua lista de presenteados, continue lendo e você irá entender porque peço isso.

Atualmente o menor presente deve ser um tablet ou smartphone, presentinho de R$ 1.99 nem pensar, presumo que eu receberia um presente de cada um, e com a quantidade de pessoas próximas é certo que não poderei usar todos os presentes.

Por outro lado, terei que dar um presente em troca, e não pode ser igual para todos, e corro o risco de haver comentários que alguém ganhou algo melhor do outrem.

Pessoas: Não fiquem tristes por essa minha decisão, que por sinal é séria, e façam como eu que me perguntei o que eu gostaria de ganhar de presente.

Analisando friamente minhas respostas concluí que o maior presente é a vida, esse presente eu só posso retribuir com orações e com boas ações, e no dia de natal quem me deu esse presente vai estar muito ocupado observando aqueles que fazem grandes ceias e fazem um barulho infernal para chamar a atenção, mas não convidam justamente àquelas pessoas que mais precisam.

Nesse caso não é por um prato de uma deliciosa comida de uma ceia natalina e sim pela aceitação dessa pessoa confraternizando e comemorando o natal, afinal, natal é família, é união, é alegria comemorando o nascimento de Jesus.

Também não adianta dar um prato de comida na noite de natal e nos dias seguintes ignorar as necessidades dos outros, é obvio que cada um corre atrás do seu dinheiro para viver cada vez melhor, se não quer ou não pode ajudar, tudo bem, mas então que não esbanje e não provoque a necessidade alheia.

Atualmente o natal é apenas uma data comercial, onde se espera ansiosamente para receber presentes, e coitados dos pais que tiverem a coragem de não presentear seus filhos, e a culpa é deles mesmos, pois durante o ano eles deveriam ter ensinado o que é realmente o natal.

Dos degraus dos meus 52 anos já vi muitos natais passarem, na época de criança a miséria era a dona da situação, e se eu ganhasse um pedaço de osso seco ele se transformava num carrinho ou em outro brinquedo qualquer e estava ótimo, o que valia mesmo era a presença dos parentes e amigos para fazer a ceia de natal todo mundo junto.

Na juventude as coisas começaram a mudar, a dispersão familiar já estava evidente, mas ainda havia o clima natalino, mesmo que todos não pudessem comparecer.

Na vida de adulto em seus primeiros anos o natal já apontava para um natal material, ou seja, já não havia o clima de natal religioso e de união familiar das pessoas próximas, os presentes matérias passaram a ter mais importância do que a presença das pessoas para esperar a chegada do natal todos juntos.

E atualmente se fala no natal como um compromisso de dar presentes, o que significa fazer dívidas para agradar alguém, e minha experiência de vida é minha conselheira, e apesar de dizerem que não sigo conselhos, vou seguir os conselhos que a minha experiência de vida sugere.

Presentes todo mundo gostaria de ganhar, mas logo vem aquela sensação que poderia ser algo melhor, e se você compra um monte de presentes logo vem àquela sensação depressiva de que fez dívidas para serem pagas até a metade do ano seguinte, comprometendo seu salário, as pessoas não tem coragem de falar sobre isso, mas acontece na maioria das casas.

Não se preocupe com o meu presente, responda para você mesmo qual o presente que você gostaria de ganhar, se acha que vale o esforço e você tem capacidade financeira para comprar, vá em frente, afinal, o presente é para você mesmo e você não vai achar que poderia ser algo melhor.

O meu presente deixe que eu mesmo darei um jeito, ou seja, você compra o seu presente e eu compro o meu presente, o natal irá acontecer do mesmo jeito, talvez assim o natal espiritual esteja mais próximo de acontecer.

O povo pensa e age errado em relação ao natal, o Natal é a data em que comemoramos o nascimento de Jesus Cristo e não a data em que devemos estar obrigados a presentear pessoas.