Filho de Peixe é Peixinho

Quantas vezes você já encontrou uma gurizada jogando bola ou fazendo outro tipo de brincadeira na rua? Quando digo rua, acho que devo usar o “termo policial” para definir de forma bem clara o que é “rua”, então reformulo a pergunta: quantas vezes você já teve que esperar para que um bando de moleques parasse de brincar e saísse da “via pública” para que você pudesse passar?.

É preciso mudar o conceito atual de que o pedestre é o dono da via pública, e não é culpa da escola e dos professores, isso é falta de educação que começa na própria casa.

Quantas vezes por dia você “flagra” um pai ou uma mãe atravessando uma rua fora da faixa de pedestres? Obviamente que com seu filho ao lado, e mostrando exatamente o que não deveria mostrar, e muitas das vezes sem nem mesmo se preocupar com o trânsito.

E se alguém chamar a atenção dessa pessoa descuidada acho que todos sabem muito bem o que esperar, principalmente se o alerta vier da parte do motorista, mas se acontece um acidente, a acusação é imediata, e na maioria das vezes é falsa.

A acusação mais comum é que “o desgraçado do motorista estava a mais de 100 km por hora” nessa rua residencial, e meu “filho” estava atravessando a rua, é isso que é dito pela grande maioria que nem viu de onde veio e nem para onde ia o veículo.

Meu filho? Minha filha? Vamos ser coerentes e assumir que a culpa é dos pais que não educam seus filhos, discutem um monte de bobagens, mas não admitem que é falta de educação e falta de respeito com seu semelhante que é ensinada dentro do próprio lar, além da falta de educação que é repassada de pais para filhos é também falta de bom senso que é ensinado pelas famílias que agem assim.

E o pior é que, quando acontecem discussões, os filhos que acompanham os pais assistem essas discussões, e mesmo seus pais estando errados, dão o péssimo exemplo de exigir por algo que não lhes pertence, e assim o exemplo é seguido.