Gás de Cozinha em Moto

A proibição do transporte de Gás Liquefeito de Petróleo (GLP), o popular gás de cozinha, por meio de motocicletas não é boa notícia para muitos donos de revendas do produto, principalmente aqueles que gostam de estar à margem da Lei.

Mas nem tudo é choradeira e reclamação, os empresários do ramo que estão satisfeitos justificam sua posição afirmando que esta é talvez a única a chance real em muitos anos do serviço voltar a atuar dentro da legalidade, e com isso oferecer segurança ao cliente.

A verdade é que a nova determinação tem gerado polêmica entre a categoria, e muitos alegam não ter condições financeiras para mudar radicalmente a estrutura dos veículos com a adaptação do SideCar.

A decisão utilizou os critérios já estabelecidos pela Agência Nacional do Petróleo, Gás Natural e Biocombustíveis (ANP), e pelo Conselho Nacional de Trânsito (Contran).

Segundo os órgãos fiscalizadores a medida é um grande avanço, o uso das motocicletas sem a adaptação do SideCar deu oportunidade para o aumento do comércio desleal.

O mercado de gás, apesar da mobilidade, foi transformado em um modelo antiquado, além disso, gerou grandes prejuízos aos empresários que permaneceram na legalidade.

Outros passaram a trabalhar na clandestinidade para não falirem, a verdade é que a medida vai filtrar os veículos que transportam o gás GLP, ou as motos são adaptadas ou serão tiradas de circulação.

Com a medida, quem é empresário espera que o comércio de gás volte a ser feito aos moldes antigos, o que também não significa ao revendedor um atraso, mas uma chance de oferecer maior segurança e credibilidade ao consumidor.

Nenhum revendedor que é responsável deve usar a rapidez e a economia em detrimento da segurança, e principalmente da qualidade do produto que chega na casa do consumidor.

Quem é sério certamente que irá seguir a lei, para acabar com o cliente apressado é bom conscientizá-lo que o melhor é sempre ter um botijão reserva em casa.

Em Itajaí, o órgão municipal que controla o trânsito informa que até dia 31 de dezembro de 2011 os condutores das motos flagradas em desconformidade com a legislação serão orientados a regularizar a situação, sob meu ponto de vista, é dar oportunidade para continuar errando, pois lei é lei e deve ser cumprida imediatamente.

Mas nem tudo está perdido, se chegar 2012 e o mundo não acabar, quem sabe a atividade melhora um pouco, claro que para isso Nostradamus não deve ter suas previsões se tornando realidade.