Hipocrisia da Prefeitura de Itajaí

Passei um bom tempo sem escrever para esse site, mas a coceira nos dedos foi muito difícil de aguentar.

Não, não é por promessa nem por ameaça para não escrever, é falta de tempo mesmo, envolvido nas atividades de entregas de atividade local e na criação de circuitos para um projeto que pode vir a ser grande, além do conteúdo para o Ibytes.com.br

Mas os assuntos locais também merecem atenção, e um deles é referente ao lixo que é descartado em locais que não deveriam ser descartados.

Claro que esse problema não é só de Itajaí, isso é um problema nacional, mas vou me ater ao que acontece por aqui e o que eu acho a respeito.

Em primeiro lugar, sejamos francos, é realmente falta de educação jogar lixo em terrenos baldios, essa falta de educação gera não só aquela imagem que a população é porca, gera também a desconfiança e preocupação com transmissão de doenças, sendo um problema de saúde pública, a responsabilidade não é só da população.

Jogar lixo em terrenos baldios gera doenças que são transmitidas pelos mosquitos, moscas, baratas, formigas, ratos e pássaros, e nas áreas urbanas nem cobras existem mais, as cobras se alimentam desses animais e insetos, sem elas, a população de transmissores de doenças vai aumentando devido ao desequilíbrio do meio ambiente.

Chamar alguém de porco porque ele defecou na própria roupa é fácil, mas também pode ser injusto, é por isso que uso esse exemplo, pelo simples fato de que não dá para julgar os motivos que levam cada pessoa a agir do jeito que age.

A prefeitura municipal de Itajaí cobra por uma taxa de recolhimento do lixo, portanto, ela é a responsável em prover maneiras da população descartar o lixo adequadamente, mas o que a prefeitura faz é apenas chamar a população de porca e de mal educada.

Para chamar a população de porca em público e atingir moralmente, paga por reportagens e apresentadores de rádio e televisão, e claramente o conteúdo das reportagens e comentários dos apresentadores coloca a culpa na população, quando na verdade, a culpa é de ambas as partes.

Sem dar as condições de descarte do lixo, sem fiscalizar quem descarta o lixo em terrenos baldios, multando os donos de terrenos e cobrando pelo recolhimento do lixo é fácil culpar os outros pela própria incapacidade de resolver o problema.

Existe um programa chamado “cata-treco”, mas não é qualquer coisa que eles levam, só levam os “trecos aproveitáveis” e selecionados, além disso, o lixo simplesmente surge, aparece do nada, se amontoa e se não for recolhido e descartado gera problemas.

Esse problema é antigo, e não pode ser cobrado do contribuinte que mesmo pagando por uma taxa de recolhimento do lixo ele tenha que se deslocar de um bairro para outro para levar o lixo em horário comercial, para muitas vezes não poder descartar o lixo na secretaria de obras da prefeitura porque nesse horário não recebem ou porque simplesmente não é horário comercial e está fechado.

A pessoa que não pode pagar uma caçamba e também não pode levar o lixo ou entulhos no lugar que a prefeitura disponibiliza vai descartar o material onde for mais conveniente para ela, aí pode ser ao lado da minha casa, ou ao lado da sua casa, é ilegal e anti-ético, mas quem vai se atrever a contestar uma pessoa que já está agindo em desacordo com e lei?

E prefeitura inerte, só cobrando e não facilitando em nada, exige, mas não colabora, mesmo tendo o dever de dar as condições adequadas para o descarte adequado do lixo.

A prefeitura de Itajaí só vai ter o direito de cobrar da população o descarte adequado do lixo quando for colocada uma caçamba ou ser disponibilizado um terreno em local de fácil acesso em cada bairro para a população descartar ali seu lixo para depois ser recolhido pela empresa responsável pelo recolhimento do lixo na cidade.

Então, que a prefeitura dê as condições, aí sim, terá direito de cobrar pelo serviço e exigir descarte adequado do lixo, enquanto isso não acontecer, não reconheço nenhum direito em cobrar da população o descarte adequado, afinal, exemplo começa dentro de casa.