Dor: Tratamento Alternativo

De acordo com a International Association for the Study of Pain dor é uma sensação ou experiência emocional desagradável, associada com dano tecidual real ou potencial, ou descrito nos termos de tal dano sendo subjetiva e pessoal, acrescentando que a dor é dividida em aguda ou crônica e deve ser caracterizada de acordo com a localização, duração e origem.

Os tratamentos propostos para os pacientes com dor podem ser medicamentos ou tratamentos alternativos como a massagem, hidroterapia, acupuntura e terapia com luz.

Uma das terapias utilizadas nas intervenções de enfermagem é a terapia de baixa intensidade óptica através do laser de baixa potencia (LPB) ou do diodo emissor de luz (LED).

LED é a sigla em inglês para Light Emiting Diode, ou seja, diodo emissor de luz que consiste num diodo com junção PN que quando é energizado emite luz.

O LED, ao contrário do laser de baixa potência, apresenta ausência de coerência e colimação, mas apresenta efeitos biológicos muito parecidos pelo fato de serem absorvidos pelos cromóforos teciduais, a luz emitida é monocromática e a cor depende do cristal.

Nesta terapia a luz que penetra nos tecidos é absorvida pelos cromóforos causando o aumento do metabolismo celular e liberação de substâncias álgicas, como histamina, serotonina, bradicinina e prostaglandinas, resultando em ação analgésica e antiflamatória, pela produção de beta-endorfinas e controle da produção de prostaglandinas, portanto, pode acarretar a diminuição da intensidade da dor e até causar analgesia.

O propósito do estudo foi verificar o efeito do LED no tratamento da dor crônica em pacientes portadores de fibromialgia, nos pontos de dor, e o resultado foi a melhora deste quadro em todos os voluntários.

A experiência negativa de dor dos fibromiálgicos é vivenciada em todas as dimensões, e isso faz com que sejam procuradas terapias complementares, foi esse o motivo que justificou o estudo.