Não Temos Segurança

Até bem pouco tempo para estacionar numa das ruas de Itajaí não era muito fácil, e quando encontrava uma vaga lá estava alguém que “havia reservado a vaga” exatamente “para mim”.

Está certo que todo mundo precisa de dinheiro, mas não é fácil puxar a carteira do bolso e pagar para estacionar numa rua que é pública e que já pagamos várias taxas, é no mínimo constrangedor.

Está certo que era difícil, mas quando a gente procurava um lugar para estacionar, do nada aparecia um “cidadão” pronto para ajudar e cuidar do veículo enquanto a gente fosse fazer o que pretendia fazer.

Esse “prestativo cidadão” cuidava do carro, mas, qual era a garantia que ele estaria ali cuidando do carro quando eu voltasse? Todos sabem que a resposta é “nenhuma garantia”, a não ser que só desse alguns trocados quando voltasse. 

Era uma tentativa, e talvez a única chance de “ter o serviço prestado” era “pagar pelo estacionamento” na volta, e se ao voltar não “pagasse” pelos cuidados do “cidadão” que cuidou do meu carro e de mais trinta carros, na próxima vez, pode ter certeza que meu carro iria marcado para casa.

Esse “cidadão” ao qual me refiro é o “tal do flanelinha” que sempre aparecia do nada e vinha de onde a gente não sabe, mas éramos “obrigados” a confiar a ele nosso veículo.

Atualmente não existem mais flanelinhas, o estacionamento é pago e não é barato, é 1 real por uma hora, o detalhe é que ninguém fala com você, ninguém cuida do seu carro, e se algum malandro resolver levar pode levar tranquilamente que não existe nem um monitor do estacionamento e nem um policial militar nas ruas.

O que mudou é que existem vagas para estacionar, alguns dizem que é pela rotatividade, eu discordo, eu penso que pelo fato de “estar tudo liberado” menos pessoas se arriscam a deixar o carro estacionado na rua, quem duvida que observe o crescimento dos estacionamentos pagos na área central de Itajaí.

Na verdade não há como saber se é melhor deixar o veículo estacionado na rua ao “Deus dará”, se era melhor deixar o veículo aos cuidados de algum “cidadão” sem nome, sem endereço e muitas vezes de má índole, ou pagar por estacionamento em local fechado onde existe alguém que cobra, mas é responsável.

A única certeza é que em qualquer das escolhas, será preciso pagar pelo estacionamento, assim fica fácil perceber o nível de segurança pública que existe em Itajaí, se com tantas taxas e impostos não podemos ficar tranquilos nem para deixar um carro estacionado na rua, agora imagine como é andar nas ruas e não perceber a presença de nenhum policial militar, é preciso que as autoridades tomem atitudes, precisamos de policiais nas ruas, o povo precisa de segurança.