Nos Tempos do Bigode

Foram-se os tempos em que uma palavra dita era honrada pelo fio do bigode, lembro que meu falecido pai e meus falecidos avós sempre usavam a palavra e o bigode para “garantir” que honrariam uma promessa de pagamento ou outra qualquer.

Os bigodes eram, e são usados por várias razões, nos tempos antigos representava a masculinidade absoluta e elegância, em muitos casos, quem usava bigodes tinha como propósito provocar a sexualidade feminina, atualmente parece ser apenas modismo.

Há quem diga que quem usa bigode é intolerante, preconceituoso e não consegue conviver com opiniões diferentes da sua própria, ou seja, significa que tem preconceito ou manifestação de intolerância.

De tempos em tempos o ser humano tenta resgatar a cultura, observe que antigamente as mulheres usavam roupas longas e as roupas foram encurtando até chegar à mini-saia, e depois a micro-saia. 

 

Por modismo, de tempos em tempos voltam a usar saia longa, e com os cabelos é a mesma coisa, até existem homens que deixam os cabelos crescer, com calçados falta só resgatar as “congas” e as botas sete léguas.

Um modismo que está demorando a voltar é o modismo da vergonha na cara, da ética e da honestidade, chegamos ao limite máximo da micro, da micro vergonha, da micro ética, da micro honestidade, dos micro princípios, enfim, eu gostaria que voltasse o tempo onde a palavra e o fio do bigode tinha algum valor.