A Preocupação do Governo

O maior dos medos para um governo é uma população sem instrução, e consequentemente é uma população mal informada, e se a população não sabe ou não entende, lhes é enfiada garganta abaixo como forma de notícia e o assunto morre.

O governo está preocupado em divulgar a queda do desemprego em percentuais, mas não explica como as coisas são feitas, e mesmo tendo a oportunidade de tornar o benefício do bolsa família permanente não faz, o motivo é a estratégia eleitoral.

Sob meu ponto de vista, caberia a imprensa em geral esclarecer a população divulgando opiniões de diversos segmentos da sociedade, não só a notícia que o governo quer que divulgue, afinal, boa parte da população demora para entender um simples comercial, então o que dizer de uma notícia?

A notícia divulgada em rede nacional diz que as estatísticas mostram que o desemprego caiu e houve aumento de dependentes do programa bolsa família, numa conta simples de um micro empresário sem usar calculadora, fica claro que há mentiras que o governo quer que a população acredite.

Tomando como base a população brasileira que é de 200 milhões de habitantes, segundo as estatísticas do governo, 12 milhões estão desempregados, mas 20 milhões recebem bolsa família.

Se houve realmente queda no desemprego, porque as empresas reclamam por não conseguirem preencher as vagas e ainda tem tanta gente desempregada?

Existe uma faixa crescente da população que não produz nada, não trabalha e não estuda, é a população neném, essa parcela da população não faz parte das estatísticas do desemprego, pelo simples fato de não procurar emprego, mas estão desempregados.

Ou seja, só aparecem nas estatisticas do desemprego só quem está procurando emprego e não está conseguindo encontrar uma colocação, enquanto isso a população neném continua aumentando só que não aparece nas estatísticas.

Dados divulgados pelo governo dando conta da diminuição do desemprego não significa que tem mais gente empregada, e nem que foram criadas novas vagas, se analisar friamente percebe-se que há um amento de dependentes do programa bolsa família.

Nas épocas de campanha é dada ênfase no fato da oposição querer acabar com o bolsa família, a maioria da população não sabe, mas o programa pode ser interrompido (se o governo quiser) ou se tornar permanente através de uma PEC, basta o governo querer.

Só que não interessa para o governo qualquer definição, pois ele perderia o argumento para fazer chantagem política com o objetivo de se manter no poder, e no que diz respeito a população, bem, graças a Deus eu não tenho caráter para ficar esperando por um bolsa esmola, só que há quem tem necessidade realmente e também quem não tem a menor necessidade.

A cada novo dia mais dependentes do programa, e assim vai aumentando cada vez mais o curral eleitoral.

Sejamos francos, é preciso mudar os critérios desse programa, uma pessoa não pode ficar dependente durante anos de um programa assistencial, é preciso que o cidadão vá à busca de trabalho, e três meses é um bom tempo para ser assistido financeiramente.

Se o cidadão não conseguir emprego, que o governo encaminhe para fazer cursos e assim ter a formação necessária para arrumar trabalho.