O Marketing é Ciência

Enquanto ciência, o marketing é dotado de ferramentas próprias, que são aplicadas em estratégias de negócios, buscando os objetivos das empresas, que podem ser crescimento da fatia de mercado, aumento da lucratividade, ampliação da atuação geográfica, aumento da satisfação dos consumidores e sua conseqüente fidelização, em alguns casos, inclusive, sobrevivência das empresas, e quaisquer outros objetivos propostos.

Enquanto arte, o marketing utiliza a criatividade e bom senso dos profissionais, que, aliados a suas experiências, auxiliam a obter resultados para as empresas, coordenando as pessoas e as ferramentas disponíveis, estimulando a demanda e favorecendo o crescimento social e econômico de uma região.

A prática do marketing exige uma visão acurada de mercado, uma proximidade com a realidade histórica do momento vivido, de modo que a empresa possa explorar as oportunidades apresentadas nos diferentes contextos vividos pelos países.

Em contrapartida, exige um controle rígido das variáveis internas das empresas, de modo a permitir adaptações da máquina empresarial, ajustando-se às mudanças externas, ou melhor, antecipando-se à elas, em outras palavras, exige eficácia gerencial.

Mas, marketing não é uma cura para todos os males, e também não é a solução para todos os problemas empresariais, há muito a ser feito por uma empresa que deseja obter resultados com a prática do marketing.

É necessário um investimento considerável, que trará resultados em longo prazo, é necessário um compromisso sério com os resultados desejados, e não é algo que se faça da noite para o dia, ou eventualmente, em uma campanha isolada de mídia, é necessário planejamento e integração das atividades, em busca desses resultados.

Pode-se dizer que há dois caminhos lógicos para que as empresas obtenham sucesso em suas atividades:

A primeira opção é descobrir como fabricar um produto ou prestar um serviço, e posteriormente tentar convencer o consumidor a comprar esse produto ou serviço.

A segunda opção é descobrir o que os consumidores estão dispostos a consumir, e então lhes oferecer exatamente esses produtos ou serviços.

O empresário deve ser coerente para decidir qual dessas duas opções é a mais segura, da escolha depende desde a simples sobrevivência, ou o sucesso.