Os Erros na Publicidade

Não saber definir de forma clara e objetiva o “alvo” de uma campanha de publicidade é um grande erro e pode levar ao fracasso total da campanha, afinal, é preciso saber a quem é dirigida uma campanha de publicidade.

Se não houver resposta sem hesitar, é melhor não passar para as fases seguintes do processo, e também não é aceitável dizer que “o alvo da campanha são todos os consumidores”, nunca se consegue captar a atenção de todos eles.

Mesmo para produtos de grande consumo, uma campanha de publicidade só pode ir em frente se tiver o público-alvo bem definido.

Se não souber se distinguir da concorrência não vai conseguir descobrir o essencial acerca da marca, que é algo único e distintivo, e que é digno de destaque, e que vai ajudar a motivar e conquistar o consumidor, sem se distinguir da concorrência é garantir o insucesso da campanha, esse é um tipo de erro que tem origem na falta de uma orientação estratégica clara.

Um anunciante, ou uma agência de publicidade pode saber claramente a quem é dirigida e o que pretende uma campanha, mesmo sem conhecer bem o seu público-alvo.

Quando se trata de uma marca conhecida no mercado, é preciso ir acompanhando a sua aceitação e possíveis mudanças de hábitos dos consumidores, além de verificar possíveis formas de melhoria para, no momento da preparação da campanha, reunir o maior número de informações relevantes, a maior fonte de informações é estudar o mercado.

Quando se trata de um produto ou serviço novo, é preciso fazer uma sondagem junto de potenciais clientes para verificar a sua receptividade, pesquisas com sessões de prova e experimentação do produto costumam dar uma boa idéia da aceitação do produto ou serviço.

Depois de saber quem é dirigida a campanha e ter sido feita sondagem de aceitação do produto ou serviço, é preciso definir qual a mensagem que a campanha irá passar.

Se a mensagem definida no briefing não for inspiradora é uma falha grave, uma boa idéia não surge do nada, uma boa idéia é o resultado de um salto criativo que é dado em cima de uma orientação clara espelhada na mensagem, e quanto mais inspiradora e mais relevante a mensagem for, melhor será a idéia criativa resultante.

Não é a agência que manda em tudo, a dica é discutir com a agência suas idéias e transmitir a agência aquilo que são suas idéias seus objetivos para que o briefing seja o inspirador das boas idéias.

É necessário colocar freios na imaginação dos criativos e fazer com que coloquem os pés no chão, uma campanha pode ser tecnicamente brilhante, ganhar prêmios de criatividade, mas, na prática, não atingir o alvo e ser um fracasso completo.

Se os consumidores a quem a mensagem supostamente deveria se dirigir não a perceberem, também não irão identificá-la como dirigida a eles e não a reterão em suas mentes.

Existem produtos mundialmente conhecidos, mas não é por isso que deve ser utilizada a mesma abordagem de campanha em todos os países, culturas diferentes interpretam e reagem à mesma mensagem publicitária de formas diferentes.

É essencial definir uma estratégia consistente e ao mesmo tempo flexível para não ferir suscetibilidades, o mesmo se aplica à utilização de abordagens que podem ser encaradas como um insulto, além de ajudarem a reforçar preconceitos sociais, numa publicidade, insinuar que todas as mulheres são donas de casa pode ser um grande erro.