Primeiros Jogos Olímpicos

Os primeiros Jogos Olímpicos de que se tem registro e a tradição de organizá-los a cada quatro anos, acompanhados de uma trégua, dura mais de mil anos.

Segundo um mito grego, foi Zeus quem deu início aos Jogos Olímpicos para celebrar sua vitória sobre o pai, Cronos.

Embora se tenha certeza de que os Jogos já eram organizados regularmente muito antes do primeiro registro em 776 antes de Cristo, o historiador Pausânias afirma que foi o rei Ífito quem organizou os Jogos em Olímpia e restabeleceu o festival e a trégua, após uma interrupção de duração incerta.

Nessa época, a Grécia estava dilacerada por lutas internas e pela peste, e Ífito pediu ao deus de Delfos para liberta-la desses males.

As pitonisas ordenaram que o próprio Ífito e os habitantes de Élis reiniciassem os Jogos.

Os Jogos foram organizados a cada quatro anos de 776 antes de Cristo até 394 depois de Cristo, quando foram abolidos pelo imperador cristão Bizantino Teodósio, que os considerava um resquício anacrônico da época pagã.

Tão importantes eram os Jogos que os gregos usavam-nos para contar os anos.

Os jogos aconteciam na cidade de Olímpia, no Peloponeso, em um estádio para mais de 40 mil pessoas, e era sobretudo um festival religioso em homenagem a Zeus, quando era declarada uma trégua para que todos os homens de língua grega pudessem comparecer.

No início havia uma única modalidade, o Stadion, que era uma corrida de 200 metros, era uma volta pela pista do estádio.

Em 776 antes de Cristo, o vencedor foi um cozinheiro chamado Coroebus, sua recompensa foi apenas um galho de macieira, embora campeões olímpicos gregos posteriores de uma lista cada vez mais extensa de modalidades tenham sido laureados com coroas de oliveira e recebido grandes recompensas financeiras.

Embora os historiadores mencionem que os atletas gregos competiam nus, a nudez, na verdade, só foi introduzida em 720 antes de Cristo, em parte como celebração do corpo humano.