Qual a Razão de Eu Existir?

Todos que me conhecem sabem, não sou escritor, não tive estudos suficientes para me tornar um, mas tem dias que dá uma vontade de expressar certos sentimentos, mas nos dias atuais, parar para conversar é um tanto difícil, afinal, todos estão ocupados com seus afazeres.

De minha parte, acho que tenho um privilégio enorme, quando ninguém pode me dar ouvidos, simplesmente sento em frente ao meu companheiro de trabalho e passo para ele todas as minhas angústias, meus problemas, e ás vezes, quando acontecem, as coisas boas.

Quero citar apenas que tenho dois companheiros diários de trabalho e que me escutam sempre sem pestanejar, um que sento dentro dele, e outro que sento em frente a ele, não pensem que sou doido, eu sou bem lúcido.

Estamos no início de junho, fazem 6 meses que aconteceu aquela enchente, e hoje acabei encontrando uma senhora que ajudei a tirar de casa quando as águas subiam, ela reclamou um monte da vida que leva atualmente, das dificuldades diárias até para comer, claro, todos ainda passam por dificuldades.

Também lhe falei das coisas que tinham acontecido, foram muitas, mas ela em tom um tanto irônico me disse: “Você se arrumou rápido, nem parece que houve uma enchente e que você teve tanto prejuízo”, confesso que fiquei chateado nesse momento, mas respondi ao pé da letra: “A senhora sabe que eu não parei de lutar em nenhum momento, simplesmente porque ainda tenho muitos objetivos”, ela foi se retirando, lhe chamei e perguntei: “Onde está a sua auto-estima?”, ela na da falou e saiu, e então surgiu a idéia desse texto.

Desastres, desemprego, morte de pessoas queridas, brigas em família, rompimento do relacionamento amoroso que durava anos, dívidas e mais dívidas, e tantas outras coisas ruins que acontecem na vida……, calma, calma, não vou escrever sobre nenhum milagre que vai ser realizado por algum pastor e nem vou cobrar algum dinheiro para resolver alguns ou todos os seus problemas.

Os problemas que citei acima são alguns problemas que batem na porta de qualquer pessoa e entram sem pedir licença, estes tipos de problemas chegam e simplesmente invadem e ocupam espaços e aos poucos formam uma grande tempestade.

Quando os problemas chegam é quando algo que não pode ser comprado em nenhuma loja ou em nenhum supermercado, enfim, não pode ser vendido e nem comprado por nenhuma pessoa, pode até ser ensinado como utilizar, esse algo ao qual me refiro chama-se “auto-estima”, e é a auto-estima que pode determinar se vai acontecer o fracasso ou o sucesso em apenas uma situação ou na vida inteira.

A auto-estima é o processo psicológico que tem mais influência na vida e no desempenho humano, pois representa o componente emocional do nosso eu, isto é, “o quanto gostamos de nós mesmos e como levamos a vida”.

O julgamento que a pessoa faz de si mesma interfere diretamente em suas próprias decisões, como e quais pessoas são escolhidas para seu ciclo de amizades, qual a carreira que será seguida, quais locais irá procurar trabalho, e quanto produtiva e realizadora será sua existência.

Conhecer a si mesmo requer capacidade e vontade intelectual e principalmente espiritual, que às vezes pode levar a pessoa a ter momentos de muita alegria, mas também pode levar a pura tristeza.

É um exercício contínuo e diário, de conhecimento dos seus melhores e piores valores e onde eles se aplicam perante os desafios que são impostos.

As pessoas que aprendem como praticar esse exercício contínuo e diário acabam se aceitando como seres humanos valiosos e sabem se posicionar no mundo com mais facilidade, descobrindo a possibilidade de ampliação de novos horizontes, encarando os desafios como uma oportunidade de alcançar melhores resultados em todos aspectos, tornando os desafios parte de um processo normal de crescimento e desenvolvimento quer seja ele pessoal ou profissional.

Como tudo na vida tem que ter dosagem correta, algumas pessoas acabam não considerando esse ponto de equilíbrio e acabam ou não gostando de si própria ou gostando de si em demasia, o que pode causar fraqueza, pena de si próprio, incompetência, submissão, ou em arrogância, pessoas que se julgam ser melhores que os outros, presunção, etc.

O termômetro que indica como a pessoa está, é a maneira que ela trabalha seus relacionamentos interpessoais, ou seja, como é a relação com as pessoas que estão ao seu redor e como você e elas se sentem a seu respeito.

Se você puder responder a seguinte pergunta: Qual a minha razão de existir?

Então continue, pois este é o caminho correto, caso contrário, olhe mais nos olhos das pessoas e procure se colocar no lugar delas cada vez que você faz uma ação, pois lhe dará condições de avaliar como seria a reação.

Dedique um tempo para “conversar” com você mesmo, por mais insano que isso possa parecer, conversar consigo mesmo, pode na maioria das vezes, resolver situações de extrema complexidade.

Enfim construa uma história, a sua própria história, para que um dia ela seja referência para os outros que vierem.