Poder Público Pune a Todos

Quando o poder público não tem como melhorar o fluxo dos veículos sempre recorre a métodos que prejudicam substancialmente uma parcela dos usuários das vias públicas.

Itajaí não foge à essa regra maldita, cada vez que um pedestre se caga e escorrega no próprio excremento ou alguém que não tem nem uma bicicleta para pagar consertos reclama que alguém passou a 200 KM por hora no local e os órgãos municipais resolvem que naquele local é necessária a instalação de uma lombada física.

Quando se instala uma lombada física a desculpa é que vai fazer os motoristas respeitarem a velocidade naquele local, mas ninguém tem coragem de dizer que a maioria dos acidentes é causada por erro humano, e raramente por defeitos mecânicos.

Levando em conta tal afirmação percebe-se que o alvo são os condutores de veículos, quando na prática os erros deveriam ser divididos proporcionalmente, um caso clássico é a de invasão da via preferencial, obviamente que não deve haver excesso de velocidade, mas sabendo que a preferência é minha não tem porque eu esperar para ver qual é a atitude do outro condutor, é aí que mora o perigo.

O mesmo se refere aos pedestres e ciclistas, eles não podem presumir que a preferência é deles quando um semáforo está aberto para que os veículos sigam seus respectivos caminhos.

Mas tem engenheiro de tráfego que coloca uma faixa de pedestre embaixo do semáforo e outra faixa de pedestre à direita ou à esquerda, obviamente que o pedestre se julga seguro para atravessar naquele local, e acidentes são constantes nessas situações, se não for por atropelamento do pedestre será uma colisão traseira, ou as duas opções, pois é preciso “esperar o pedestre passar”.

No caso de acidente, mesmo que o pedestre vá todo quebrado para o hospital por ter atravessado na frente do veículo, o motorista ainda será o culpado, pois não há quem dê razão ao motorista, ele sempre estará errado por mais certo que possa estar.

Penso que com mudanças nas posições onde são instaladas as faixas de pedestres poderia acabar com um bom percentual de acidentes que acontecem por desconhecimento ou até mesmo de pessoas folgadas que utilizam as ruas como se elas fossem seu banheiro, principalmente no que diz respeito a fazer merda.