Sobre o Algoritmo Panda

Quem recebe alguma grana do Google escrevendo para sites não tem dormido bem ultimamente, o motivo da falta de sono é o efeito que o “ursinho” do Google vai causar em muitos editores de sites.

Mas o ursinho do Google vai fazer a alegria daqueles que escrevem textos originais e que tem seus textos copiados na “maior cara dura”, e vai trazer a tristeza para quem não têm conteúdo considerado de qualidade pelos usuários.

As primeiras mudanças já estão acontecendo em outros países, foi nos EUA o primeiro lugar onde o Panda começou a ser testado, e as modificações já estão bem visíveis.

Falar em Panda não é se referir ao “ursinho meigo” que habita as florestas da China e se alimenta de brotos de bambu, estou me referindo ao Panda do Google que é a nova forma de medição da qualidade de sites, e que já deu para entender como vão ser as buscas no futuro.

Não tenho hábito de ficar monitorando os sites dos outros, mas os meus por uma questão de sobrevivência é preciso monitorar, e por isso notei algumas mudanças em vários resultados das buscas do Google, também notei variações que não eram comuns nas estatísticas dos meus sites.

Hoje é 5 de maio e ainda estão dizendo que não, mas com base nas estatísticas tenho muitos motivos para acreditar que o panda começou a funcionar no Brasil no final de mês de abril, talvez até antes, ainda é cedo demais para tirar qualquer conclusão a respeito.

Se vai trazer benefícios ou não para o usuário não sei, mas não há como negar que se o site for grande a tendência é crescer ainda mais, se o site for pequeno pode até desaparecer, porque o objetivo do algoritmo é diminuir ou até fechar os espaços para quem deseja crescer, e com isso vai haver punição injusta para muitos sites.

Olhando pelo lado comercial, vai ser muito bom para o Google e muito ruim para quem vende, porque quem tem sites desconhecidos que vendem produtos e serviços para aparecer terão que anunciar no ADWORDS, porque a maioria dos sites terão suas visitas prejudicadas pelo novo algoritmo, só irão ficar visíveis nas buscas os sites com taxas de rejeição bem baixas.

E assim como é agora, e quando o cliente pesquisa um produto e não é exatamente o que ele procura, ele volta ao sistema de busca e compara com outros resultados, com isso fica claro que o índice de rejeição do Google é que fará com que sites com alto índice de rejeição sejam os mais penalizados.

Mas não devemos ficar assustados, não é o índice de rejeição que temos acesso e que é medido pelo analytics, se fosse assim, os sites com índice de rejeição acima de 80% estariam condenados a desaparecer dos resultados das buscas.

Penso que o índice de rejeição é medido pelo Google pelo clique que o usuário dá quando entra na página, mas se ele volta para o sistema de busca e clica em outro site é porque o primeiro não lhe agradou.

Mas não é só isso, existem outras centenas de variáveis que são guardadas a sete chaves e poucos conhecem, por isso é importante fazer um site o mais informativo possível, que o resultado virá, mesmo que seja em longo prazo.

Uma coisa é certa, os sites que “chupam conteúdo” fazendo indexação automática de conteúdo vão perder muita audiência com o novo algoritmo, mas existem outros fatores que também são decisivos para o ranking de um site diminuir.

Entre os fatores estão a utilização de conteúdo copiado, a grande taxa de rejeição, bloqueio por grande número de usuários, não esquecendo os sites que demoram a carregar as páginas por problemas no design ou por mostrarem imagens pesadas, e a terrível cor do fundo da página igual ou muito próxima da cor da fonte.