Tem Medo de Ficar Só?

Existe um velho ditado popular que diz que errar uma vez é humano, mas que errar duas vezes já é burrice.

Pode até fazer sentido para várias situações, mas, quem se relaciona ou casa duas ou mais vezes é burro?

Biologicamente a paixão acaba em aproximadamente dois anos, depois disso, se não existir o amor o casamento ou o relacionamento não segue em frente.

Aí surge uma questão a ser discutida, afinal de contas, o que é esse tal de amor que faz com que um relacionamento ou casamento continue?

Esse tal de amor seria uma paixão mais calma, sem aquele fogo que faz com que o casal transe a toda hora?

Ou esse tal de amor seria mais fraterno, que inclui sexo, mas sem tanta intensidade, e mais companheirismo?

Num casal, a expressão “companheirismo” é detestada, afinal, somos companheiros do irmão, da filha, dos amigos, mas do(a) cônjuge é mais difícil, e até quando a gente consegue manter o “companheirismo”?

E quando o casal começa a tomar rumos diferentes e começam a aparecer divergências por preferências?

Um gosta de uma coisa, o outro de outra, tipo, o futebol na TV é algo detestável, mesmo sendo depois da novela, o jornal é tudo que existe de ruim, mas um BBB é algo exemplar, e até o simples trocar de canal da TV passa a ser algo intolerável, a desculpa é que vai desregular a antena impossibilitando a sintonia do canal preferido do outro.

Nessa fase, a mulher não tolera quem conversa com o marido, e ele nem conhece e não quer conhecer quem conversa com ela, esse é o começo do desinteresse da vida um do outro.

Pior ainda é se um dos dois fez algo que foi indicado ou sugerido que não deveria ter sido feito, e se essa atitude causou problemas para um dos dois.

Será que a gente deixa que essas coisas aconteçam por comodismo ou será que são coisas que acontecem naturalmente?

Quem defende o casamento/relacionamento, diz que é uma fase, e que depois as coisas se ajeitam.

Não sei que posição defender, já passei por algumas fases, sei que quando as crises são apenas entre o casal, as coisas são difíceis de serem acertadas, mas são muito mais difíceis quando a crise tem origem em atos que foram sugeridos que fossem feitos de uma forma e foram feitos exatamente ao contrário, e quanto tempo dura um relacionamento em crise é algo totalmente imprevisível.

É muito questionável, mas o ser humano, segundo dizem as pesquisas, tem medo de ficar sozinho, sinceramente, eu não fui entrevistado para essa pesquisa, e posso afirmar categoricamente que prefiro ficar, e estar só, a estar acompanhado e não poder nem assistir o canal de TV preferido.

Afinal, qual é a vantagem de estar acompanhado e sozinho ao mesmo tempo?