Consegue Fazer Economia?

Grande parte das pessoas tem uma rotina cansativa para obter um salário que seja suficiente para as despesas do mês, e na grande maioria não sobra nada para o mês seguinte, ou seja, o dinheiro acaba antes de terminar o mês.

Mesmo parecendo difícil existe solução, o problema é que muitas vezes não conseguimos controlar nosso orçamento devido ao impulso de consumir, eu mesmo não faço visitinhas a shopping nos feriados ou nos domingos, isso evita despesas desnecessárias.

A gente só começa a se dar conta do problema quando as contas começam a crescer igual bola de neve.

Se a gente tivesse o hábito de registrar todos os gastos que temos ao longo dos dias, e no final do dia e nos dias seguintes parássemos para analisar, facilmente seria notado que gastamos muito e muitas vezes por impulso e sem necessidade.

Eu mesmo no auge de uma crise financeira não conseguia sequer honrar as despesas básicas e tão necessárias, depois de muito tentar descobrir onde estava o erro sem conseguir comecei a anotar todas as despesas, e não é que descobri onde estava o problema?

Para descobrir o causador do problema fui obrigado a colocar câmeras, e mais uma vez o resultado veio, descobri quem estava pegando o dinheiro, os empréstimos forçados e a perder de vista duraram por muito tempo, foram anos, mas só no auge da crise financeira é que passei a me preocupar com cada valor que sumia e que fazia falta na hora de pagar as contas.

Mas ficou uma curiosidade, quanto realmente era retirado sem que fosse computado nas despesas? Para assalariado é fácil, pois só entra um valor já conhecido, para quem é comerciante o dinheiro do comércio se mistura com o dinheiro pessoal e não há como controlar.

O problema maior surge quando existem pessoas que pensam que um valor faturado em vendas é o total do lucro, essas não pensam que o estoque deve ser reposto e retiradas as despesas operacionais, como compra do produto, impostos, combustível, manutenção, luz, água, etc.

O que vou relatar faz sentido, note que o comércio não anuncia mais o preço final de um produto, é anunciado o valor da parcela a ser paga por mês, isso ilude o consumidor menos informado, ele não faz as contas para saber o valor final de uma mercadoria.

Há situações parecidas em que é anunciado que é preciso um valor diário para obter um determinado objeto, como exemplo, vou citar um vídeo game (o PS4) que custava no seu lançamento em torno de R$ 4.000,00 e era a febre do momento.

A primeira vista está longe do poder aquisitivo da maioria das pessoas, mas se transformar em parcelas, cada parcela fica próximo dos R$ 130.00 mensais, e se transformar em um valor diário, o valor passa a ser insignificante, pois não chega a R$ 5.00 por dia.

Então está evidente não é impossível comprar um produto mesmo que ele seja considerado caro, desde que exista uma previsão de economia para honrar o compromisso.

Como eu tinha o objetivo de fazer algo que parecia difícil em termos de orçamento e gostaria de ter uma ideia de quanto sumia em dinheiro, combinei com minha companheira que durante 3 meses a gente iria colocar num cofre moedas de 1 real e moedas de cinquenta centavos, só as sobras.

Fazendo Economia Juntando Moedas

E o resultado foi acumular R$ 1.150,00 em 90 dias, isto dá próximo de R$ 12,00 por dia, ou R$ 360,00 por mês, e sem psicose para botar moedas no cofre, apenas quando havia disponibilidade é que o cofre recebia moedas.

Já tem outro cofre pronto para começar a receber moedas, a previsão de abri-lo ainda não existe, mas não deve demorar muito, já que os desaparecimentos de moedas não existem mais e as contas estão sob controle, como pode ser percebido, não tem nada impossível.