Xenôn é Luz Muito Forte

Quem dirige sabe que encontrar outro motorista com luz alta é no mínimo perigoso, andar com luz alta pode acontecer por descuido ou por abuso da parte de alguns motoristas, mas se o veículo sai da concessionária com faróis originais e aprovados é porque pode andar e usar os faróis, claro que o bom senso deve prevalecer.

Quem anda com veículo regularizado no Departamento Estadual de Trânsito não será afetado pela resolução 384/2011 do Conselho Nacional de Trânsito que proíbe desde o dia 07/06/2011 a instalação de faróis de gás xenônio em veículos que não saem de fábrica com esse equipamento.

A norma prevê que os automóveis estão autorizados a circular até a data de seu sucateamento, desde que o equipamento esteja de acordo com a resolução 227/2007, que regulamenta a iluminação veicular.

Quem possui carro regularizado e equipado com xênon, pode ficar tranquilo, e quem gastou em torno de 500 reais para adquirir o farol de xênon, mas não conseguiu a liberação da documentação pode esquecer-se da ideia.

Sejamos francos, equipamento irregular tem que ser proibido mesmo, mesmo que existe quem diga que não existe sentido em não mais permitir, mesmo cumprindo todas as exigências.

Estou de acordo que parte dos carros não tem dispositivo de regulagem de altura dos faróis, esse é o principal argumento do Contran para as proibições, e isso realmente prejudica os motoristas que trafegam no sentido oposto devido a forte luminosidade, ao cruzarem, mesmo que por alguns centésimos de segundos, ou talvez por segundos inteiros deixa o motorista totalmente cego, o que pode vir a ser a causa de acidentes.

O mercado para esse tipo de comércio ficou reduzido aos carros que saem com o equipamento de fábrica ou precisam de eventual substituição, e os motoristas que forem flagrados em desconformidade com a nova resolução serão multados em R$ 127,69, além de perderem cinco pontos na CNH, como prevê o Código Nacional de Trânsito.